Skip
A carregar Destaques

A decorrer | “Pedro da Silveira: da casca ao cerne”

A Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro organiza a exposição “Pedro da Silveira: da casca ao cerne”, patente ao público até 30 de dezembro de 2022, por ocasião do centenário do nascimento de Pedro da Silveira.

A exposição visa divulgar documentação manuscrita, impressa e iconográfica que a BPARLSR tem à sua guarda, na sequência de doações efetuadas pelo próprio escritor ainda em vida e postumamente pela sua esposa. Os visitantes da exposição podem consultar uma seleção de livros da biblioteca de Pedro da Silveira, alguns deles autografados; primeiras edições de monografias da sua autoria; originais de estudos e recolhas que efetuou; trabalho de carácter etnográfico, particularmente relacionado com a sua ilha natal, as Flores; entre muitas outras raridades.

Está previsto um vasto conjunto de iniciativas neste âmbito até ao mês de dezembro, sendo a próxima a “Semana Pedro da Silveira”, de 5 a 10 de setembro,       que proporcionará uma “Mesa de Amigos”, um serão de poesia e contos, entre outros eventos a divulgar futuramente.

 

Nota Biográfica: Pedro da Silveira

Pedro Laureano Mendonça Silveira, nasceu na Fajã Grande – ilha das Flores no ano de 1922 e faleceu em Lisboa, em 2003. Poeta, crítico literário, tradutor e investigador.

Depois de um período na ilha Terceira, onde completa a sua formação, vai para S. Miguel em 1945. Aí teve um papel importante junto do jornal A Ilha, transformando-o num polo aglutinador de jovens intelectuais.

Colabora com artigos e ensaios em diversos jornais e revistas, nomeadamente: Correio dos Açores; A Ilha; Insulana; O Telégrafo; Boletim do Núcleo Cultural da Horta; Sul, Florianópolis, Brasil; Vértice; Átomo; Ler; Seara Nova; O Comércio do Porto; Jornal de Notícias; O Primeiro de Janeiro; Diário Ilustrado; Diário de Notícias; Jornal Português, Oakland, Califórnia, EUA; Jornal de Letras e Artes; Minas Gerais – Suplemento Literário, Belo Horizonte, Brasil; Colóquio Letras; Revista da Biblioteca Nacional; A União, Diário Insular, entre outros.

Quando se fixa na cidade de Lisboa, onde reside até à morte, passa a publicar regularmente ensaios e críticas nos suplementos literários nos jornais de maior destaque, como O Primeiro de Janeiro e O Comércio do Porto, bem como nas revistas Vértice, Ler e Seara Nova.

Entre 1951 até 1974 fez parte do conselho de redação da revista Seara Nova.

Entre 1981 e 1992 exerce o cargo de Diretor dos Serviços de Investigação e Atividades Culturais da Biblioteca Nacional de Lisboa

 

 

Detalhes

Início:
30 Julho
Fim:
30 Dezembro
Categorias de Evento:
,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*